O antiambientalismo

Depois de um período de merecidas (sic) férias, voltamos à ativa com essa maravilhosa extensão internética do nosso projeto. E para nos redimirmos pela ausência, vamos polemizar! – apesar do que a Carolina Dieckman disse pra Marie Claire desse mês sobre polemizar (me deem um desconto, eu disse que estava em férias).

Proponho hoje uma reflexão que é sempre pertinente: o olhar pelo outro lado. Aqui nesse blog, seguindo a linha de pensamento (não sei se Gramsci ou outros tantos me permitiriam usar a expressão ‘ideológica’) do nosso programa, temos nos proposto a um objetivo: divulgar questões pertinentes ao meio ambiente e, consequentemente, à qualidade de vida. Então, reciclagens, consumo inteligente (na falta de uma expressão melhor), energias renováveis, aquecimento global são assuntos que muito nos interessam. E nos quais, claro, acreditamos.

Mas, vasculhando esse mundo – pra mim, hostil – da world wide web (Luti, aprendi algo contigo!) encontramos tantas informações conflitantes que colocam tudo o que se acredita, abaixo. É inegável que nossos inimigos têm bons argumentos.

O que quero dizer, em resumo, é que existe sim um movimento antiambientalista apregoando por ai que as ideias verdes que apregoamos por aqui são uma falácia. Dizem que o aquecimento global é uma farsa, que o ambientalismo é uma nova forma de colonização. E provam isso com o quê? Com ciência, óbvio. Uma ciência que serve a certos interesses, mas qual não serve?

E o que eu, uma aspirante à jornalista que se propõe a defender a causa ambiental diz acerca dessas afirmações? Que a verdade não é uma só, talvez. E, se temos direito à incerteza, é preferível que permaneçamos com essa estrutura produtiva que pode não ser nociva ou é mais sensato que transformemos nossos hábitos porque eles podem ser nocivos?

Abaixo, alguns exemplos retirados dessa terra sem lei que é a Internet, que mandam o ambientalismo às favas (pra não dizer outro lugar).

Leia e me diga: você samba de que lado?

1) A primeira parte do documentário The great global warm swindle, ou, A grande farsa do aquecimento global, produzido pela BBC que questiona aquela história de que é o homem quem destrói as geleiras e aumenta a temperatura mundial devido aos seus modos de produção.

2) Livro de Geraldo Lino, Lorenzo Carrasco, Nilder Costa e  Silvia Palacios coloca o ambientalismo como sendo uma nova forma de colonialismo, anti-humanista e contrário ao desenvolvimento.