Universo das drogas

 

Você já ouviu falar em substâncias psicoativas e drogas de abuso? Nossa sociedade está cheia delas, mas, muitas vezes, não sabemos nem do que se tratam e, muito menos, que podem ser consideradas drogas.

As substâncias psicoativas não são tão conhecidas. Caracterizam-se, por principalmente, agirem no cérebro, modificando o seu funcionamento, alterando o humor ou o comportamento. Neste grupo de substâncias, dentre as mais conhecidas estão os medicamentos; as substâncias de aplicação na vida diária moderna; substâncias que se transformaram em hábitos sociais do ser humano; e, por fim, um grupo de drogas que ocasionam abuso e dependência e, são ilegais.

Drogas de abuso são bem mais conhecidas pela grande massa populacional. Elas estão no nosso cotidiano, nas ruas, festas e até em casa. São caracterizadas por se tratarem de qualquer substância ou preparação, com pouco uso médico, usadas primariamente pelos seus efeitos prazerosos, exóticos ou estimulantes. Dentre as mais populares estão o tabaco e o álcool, drogas sociais. Já os inalantes, na maioria dos lugares, são considerados ilegais, como a maconha, que tem o haxixe como seu derivado, crack e oxi – derivados da cocaína – LSD,  mescalina e extratos de cogumelos. Também há substâncias que só devem ser usadas sob receita médica, como moderadores de apetite, estimulantes, calmantes, entre outras que também passam a ser drogas de abuso, quando utilizadas para outros fins ou em excesso.

O álcool e o tabaco, drogas mais comuns presentes em nossas vidas, são socialmente aceitos, assim como o uso de medicamentos prescritos pelos médicos ou, até recomendados por conhecidos. Já as drogas ilícitas são consideradas tabus na sociedade, por poder causar dependência, fazendo com que as pessoas mudem, drasticamente, de comportamento.

No entanto, muitos dizem que a maconha não vicia. Segundo estimativas, 1, 875 grama de dessa droga equivale a fumar centenas de cigarros de uma vez. Um cigarro tem de 500 miligramas a um grama de maconha, mas quase tudo se perde antes de chegar ao cérebro. No final, o consumo não passa de 2,5 milésimos de grama. A dependência psíquica faz o usuário sentir uma pequena vontade de tomar a droga. Já a dependência física faz com que ficar sem fumar provoque irritação, insônia ou perda de apetite. Mas, não há caso comprovado de overdose.

Aqui no Brasil, a maconha é a droga mais usada por ser mais “leve”, é considerada ilegal. Já nos Estados Unidos, passou a ser aceita por ter efeitos medicinais que beneficiam pacientes com câncer, glaucoma, esderose múltipla e portadores do HIV. Mas, a maconha ou canabis não cura o câncer ou a Aids, ela apenas alivia o sofrimento decorrente dessas doenças.