Alimentação saudável desde cedo

É importante cuidar da saúde desde cedo e a alimentação tem parte fundamental nesse processo/ Imagem: Google Imagens

É importante cuidar da saúde desde cedo e a alimentação tem parte fundamental nesse processo/ Imagem: Google Imagens

Tão antiga quanto a nossa existência é a alimentação, um processo vital que influencia a vida de cada ser humano desde que ainda estamos na barriga de nossas mães. Uma nutrição adequada pode ajudar no desenvolvimento físico e intelectual correto, prevenindo distúrbios nutricionais como a anemia, a desnutrição, a obesidade, além da osteoporose e da hipertensão.

 O alimento é, antes de qualquer coisa, fonte de energia e de substâncias necessárias ao nosso corpo, tais como proteínas, carboidratos, vitaminas e sais minerais, gorduras, fibras e água. Por isso cuidar da alimentação desde o início da vida é fundamental para crescermos de forma saudável. Para os bebês com até seis meses de idade, não há melhor forma de nutrição do que através do leite materno, que possui todos os nutrientes que ele precisa e ainda fornece os anticorpos necessários para um crescimento sadio.

Após os seis meses, o bebê passa a precisar de outros alimentos, embora ainda deva receber o leite materno até por volta dos dois anos. É nessa época que entram em cena, aos poucos, as sopas e papinhas. O feijão também é recomendado e, diferente do que muitas mães podem pensar, não é necessário dar à criança apenas o caldo. Os grãos, quando amassados, também são indicados. Fornecer os alimentos amassados e não em forma líquida é, aliás, uma forma de estimula-lo a tentar mastigar, mesmo que ele ainda não possua dentes.

Alimentos como o mel, o morango, o tomate, o ovo e mesmo papinhas que contenham amendoim e nozes devem ser evitados nessa fase. A introdução de comidas e bebidas industrializadas nos hábitos alimentares da criança, assim como bolachinhas, salgadinhos e refrigerantes deve ser retardada, pois ela não tem a necessidade de ingerir tais alimentos. O açúcar e o sal também devem ser adicionados à alimentação de forma bastante controlada, para que não se tornem um hábito que possa trazer problemas, tais como a hipertensão, na vida adulta.

A partir do primeiro ano de idade até por volta dos cinco, ocorre um período de intenso crescimento em que a criança se torna muito ativa. Alimentos como o arroz, o feijão e a carne devem estar sempre presentes, pois fornecem principalmente o ferro e as proteínas. Uma importante dica é fornecer alguma fruta cítrica, como a laranja, a bergamota ou o abacaxi, após as refeições que contenham feijão, pois elas ajudam na liberação do ferro, que pode então ser absorvido em maior quantia pelo organismo.

Uma das tarefas mais difíceis é introduzir alimentos como frutas, legumes e verduras nos hábitos alimentares das crianças. Cabe aos responsáveis por elas serem persistentes e oferecerem esses alimentos diversas vezes, pois é comum que no início a elas rejeitem. É bom que sejam oferecidos os mais diversos tipos de frutas, legumes e verduras, já que a criança ainda está descobrindo esses novos sabores. Aí entra a criatividade na hora de cozinhar. Se em um primeiro momento a cenoura for rejeitada, por exemplo, há a possibilidade de fazer receitas que levem o legume. Outra técnica eficaz é a de chamar a criança para ajudar no preparo de lanches, fazer caretas com a comida e buscar oferecer a ela pratos bem apresentados.

Para meninos e meninas de cinco a doze anos, a alimentação é muito parecida com a de um adulto. Porém, há grandes variações no que diz respeito à quantia de comida necessária para suprir as necessidades diárias. Alimentos que contenham carboidratos, como as massas, a batata e o arroz e proteínas, como o pão, a carne, o leite e o feijão são fundamentais nessa fase de desenvolvimento físico e intelectual. Um dos problemas que vem se tornando cada vez mais frequentes nessa idade, é a ingestão de altos valores energéticos que não são gastos, por isso é fundamental incentivar a prática de exercícios físicos.

Mas se nos primeiros seis meses de idade a ingestão de água é dispensável, ao longo de todo o resto da vida ela é fundamental. É importante não toma-la somente quando se sente sede, pois nesse momento as células já estão com falta de água. Dar uma garrafinha de água para que seu filho leve à escola pode ajudar a mantê-lo hidratado. Uma alimentação equilibrada é também sinal qualidade de vida e nada como começar com essa prática desde a infância.