Dia Internacional de uma das maiores fontes de conhecimento

livrosNo dia 23 de abril é comemorado o Dia Internacional do Livro e dos Direitos de Autor, essa data foi criada para reverenciar escritores como Cervantes e Shakespeare. Essa comemoração é bem importante, e desde 1996, por decisão da UNESCO, é celebrada. Uma data pouco lembrada atualmente tem o intuito de dar atenção maior ao livro, tanto no processo de produção quanto na sua leitura.

O livro, por mais simples que pareça, passa por um longo processo de produção, que inicia na inspiração do autor, a sua escrita,  até chegar na gráfica para impressão. É um trabalho quase que artesanal, e precisa ser valorizado. Esse desinteresse pelo livro pode ser notado não só entre os jovens mas também em várias camadas da população, isso se deve a alguns fatores, o principal deles é a falta de incentivo ao mundo das leituras.

Para tentar amenizar esse desinteresse são promovidas feiras, campanhas, trocas e várias outras formas de fazer com que o livro atinja um grande público. Pode-se dizer que há uma grande luta para que as obras cheguem em toda a sociedade, independente da classe social de cada um. Pois, é preciso que haja mais acesso aos livros, as bibliotecas precisam ser melhor organizadas, e atrativas para que também atuem nesse processo de incentivo à leitura.

Sabemos que muitas vezes, um outro fator que contribui para a diminuição nos índices de leitores é o custo para adquirir um livro. Algumas alternativas são apresentadas para esse problema, além das bibliotecas, a disponibilização das obras ou parte delas na internet é uma tendência que vem crescendo no mercado editorial, por acreditarem que dessa forma é possível consquistar um número maior de leitores.

É importante ressaltar que as previsões sobre o fim do livro com a invenção das tecnologias não passa de um engano. Apesar de ter sido inventado há séculos atrás, é uma prática tão atual que não sofre ameaça de desaparecer. Ele não só traz conhecimento, como também faz vivermos em outros mundos, experimentarmos várias sensações e tudo isso sem sairmos de casa. É como se pudéssemos viajar sem precisar gastar dinheiro.